terça-feira, 14 de novembro de 2017

segunda-feira, 13 de novembro de 2017

Contra o Racismo

No 4º Bimestre de 2017, estamos implementando um projeto, com ações pedagógica na escola, que pretende refletir e discutir o racismo e a diversidade na sociedade contemporânea.
Uma das vária ações que foi executada integrando Teatro, Projeto de Vida e Geografia foi a "Intervenção Cênica" nas salas de aula, utilizando a metodologia do Teatro do Oprimido.

Assista ao Vídeo


Imagens de ações preliminares, pois faremos uma exposição dos estudantes
 homenageando negros guerreiros de todo o mundo, com hashtags.

  



  


Contextualização do tema Racismo. 

Discussão sobre o tema após apreciação de vídeo temático.

Faixa produzida em aula para provocar o debate nos corredores. 

Mural com hashtags que darão sentido ao nosso painel de fotografias.

Mural com as imagens de alguns estudantes
 Profs Lindomar Araujo e Débora Mota
Estudantes apreciando as imagens

#EuSou

sábado, 11 de novembro de 2017

Invasão ou Descoberta?

Intervenção Cênica na Exposição
DJA GUATA PORÃ
no Museu de Arte do Rio
MAR

Esta intervenção surgiu da parceria existente entre o Ginásio Carioca Vicente Licínio Cardoso e o Museu MAR, aproveitando dois momentos importantes: a exposição Dja Guata Porã, em cartaz no Museu e a temática "Opressão e Cidadania", que se desenvolvia nas aulas de Projeto de Vida, pela metodologia do Teatro do Oprimido.
Toda a concepção foi num formato colaborativo, contando ainda com o apoio de artista índio Miguel envolvido com a exposição.


Assista à cena de Intervenção Teatral.

Um dos ensaios em sala de aula para a cena.

 Ensaio das cenas no Museu - In loco.

 Ajuda do índio Miguel no ensaio.
 Apresentação da Intervenção Cênica

 Apresentação da Intervenção Cênica
 Apresentação da Intervenção Cênica


 Diálogo com o público - Reflexão sobre a invasão-colonização


Máscaras: cartografia dos sonhos

Teatro e Projeto de Vida
em
"Máscaras: cartografia dos sonhos"

No ano de 2017, trabalhamos com a linguagem teatral nas aulas de Projeto de Vida e mais especificamente com o Teatro do Oprimido, do teatrólogo Augusto Boal¹ . Esta estética teatral objetiva a democratização do teatro e inclusão do indivíduo na sociedade, com jogos e exercício que permitem aos atores e espectadores atuarem direta e ativamente sobre a cena. 
Nesta perspectiva, inicialmente, busquei emancipar os corpos e torna-los expressivos, entendendo que esta metodologia trabalha nas seguintes etapas: Conhecimento do corpo; Tornar o corpo expressivo; O teatro como linguagem e; O teatro como discurso. Focamos no Teatro-Imagem, que é uma das vertentes teatrais da Estética do Oprimido. Exercitamos jogos teatrais à partir de situações-problema, perseguindo uma “imagem de transição”, após ter trabalhado as imagens da “situação real-atual” e da “situação ideal”.



Painel sobre a paz, que emergiu de uma avaliação com retomada da aula.

Apresentação de Teatro-Imagem em turmas de 7º ano, para o Dia Internacional da Mulher

Vídeo da Intervenção Cênica nas salas de aula.
 
Painel “Portas abertas ao futuro”. Nele, os estudantes do 9º ano expressaram seus sonhos, em portas abertas pela escola.
  
Molde para elaboração das expressões das máscaras.

Estruturas iniciais das máscaras. Elas foram baseadas nas histórias contadas pelos estudantes, abordando relações cotidianas.

Pesquisamos diferentes possibilidades de confecção de máscaras e decidimos trabalhar com papelão por ser um material flexibilidade, boa aderência e custo zero. E utilizamos tinta guache na pintura. O Datashow e o notebook foram dispositivos importantes para a transposição dos mapas conceituais sobre as máscaras.

Base côncava/convexa para a máscara expressiva.

Balões de ar empapelados. Também serviu de base para máscaras.

Papelagem ou papietagem das estruturas de papelão, para as máscaras.

Pintura das máscaras com tinta guache branca misturada à cola,
para colorir e impermeabilizar.

 Utilização das tecnologias digitais, na criação de imagens
 e transposição dos mapas.
  
Sobreposição iconográfica, pintura e associações simbólicas. 
Após traçarem seus mapas do projeto de vida, que continham sonhos, oportunidades, ameaças, apoios de pessoas, caminhos possíveis, etc.

Painel “Cartografia dos Sonhos”, apresentando o inter-relacionamento
entre as máscaras e os mapas conceituais.  

PLANO DE AÇÃO




[1] BOAL, Augusto. O teatro do oprimido e outras poéticas. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1983.

Feira Latino-Americana

Projeto pedagógico interdisciplinar envolvendo Geografia, Arte, Projeto de Vida, História e Língua Portuguesa. Ação desenvolvida no Ginásio carioca Vicente Licínio Cardoso, criada pela professora Débora Mota e coordenada por Inês Resende.

Pintura dos estudantes

A disciplina Projeto de Vida discutiu a colonização do espaço sul-americano no século XVI. Trabalhamos com a metodologia do Teatro do Oprimido, criando quatro cenas que pretendiam refletir as opressões de ontem e de hoje.

Uma caravela chegando em nossas terras
Cena sobre ""Gentrificação" na Zona Portuária

Plano de Ação do 3º Bimestre de 2017

Processo de criação das cenas nas aulas de Projeto de Vida


Resumo das ações na Feira Latino-Americana




Organização do espaço de apresentação e paineis

  
Professora Débora Mota conduzindo as ações

Professora Margareth (LP) orientando os estudantes


 Estudantes apresentando seus trabalhos em formato painel


 Estudantes com caracterização de personagens  













Autor do Blog

Minha foto
RIO DE JANEIRO, RJ, Brazil
Lindomar da Silva Araujo. Mestrando em Artes Cênicas. Professor de Artes Cênicas na Prefeitura da Cidade do Rio de Janeiro (SME), vinculado ao Ginásio Experimental de Artes Vicente Licínio Cardoso. Possui Pós-graduações em Tecnologia Educacional e em Psicomotricidade. Graduado com Licenciatura Plena em Dança, pela Universidade da Cidade. 1º lugar nos Prêmios Anísio Teixeira de 2016, 2015 e 2008, na área de Tecnologia e Educação. Produtor de aulas digitais do Portal Educopédia (SME/RJ), de 2010 a 2014. Prática na docência superior em disciplinas articuladas ao segmento da Arte-Educação, na UniBennett. Diretor Geral do Ginásio Experimental Carioca André Urani, em 2012. Professor de Arte da Secretaria Estadual de Educação/RJ (1999-2008), com dedicação ao Núcleo Avançado em Educação - NAVE (2009-2011). Professor de ballet/dança em escolas de dança e artista bailarino na TV Globo e TV Manchete durante quinze anos, simultaneamente, atuando em palcos nacionais e internacionais.